Gustavo Valério

O Poeta Soturno

✑ Densa Chuva

E chove na manhã branca e serena
e o céu de azul se veste na neblina;
A natureza quase nos fascina;
a ocupação atroz nos apequena.

A vida mal vivida torna obscena
a dor semi-fatal da adrenalina
que devagar nossa alma seca e mina
no divagar sombrio da triste pena.

O sôfrego mentor dos atropelos
imprecando além da alma e dos cabelos
percebe a solidão das amarguras.

E atropelando os sonhos como o algoz
da própria sorte, já sem vez ou voz,
morre nas raras chuvas das gravuras.

Gustavo VS Ferreira
17/06/2019

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *