Gustavo Valério

O Poeta Soturno

✑ Destroços Internos

quebrando um vidro com um soco

Neste eterno arrastar, destroços e cabelos
estão a revoar em sonhos desprezíveis
querendo ultrapassar os mais difíceis níveis
da vida crua em flor; conseguirei vencê-los?

✑ Hábil Prisioneiro

gramado e ceu com ventos fortes e nuvens esparsas

Sonhos são ilusões do pensador dormente
e o sono é o apagão do cérebro ligeiro;
A morte é salvação desse homem passageiro
e descanso fatal do mais inteligente.

✑ Mortal Clarão

luz azulada no espaço
Há um mortal clarão queimando no meu peito;
infernal sedução - desamores d’outrora
quase a me estrangular no mal que corrobora
apenas me matar por ser insatisfeito

✑ Im[pacto]

asteroides atingindo um planeta
O verbo ódio nasceu e causou grande impacto;
à luz escureceu esplendorosas vozes
desfazendo o apogeu das vítimas e algozes
ruindo a solidão num modo mais compacto.

✑ Carismático Anjo

escultura de anjo gigante no meio da cidade
O carismático anjo ofertou novidade!
A nova salvação do deus ambivalente;
trouxe uma liberdade afeita da corrente;
foco extremo de luz, de amor e ambiguidade.

✑ Infinito do EU

astronauta flutuando no espaço ao lado do planeta terra

Eu sou um astronauta de granito
desprendendo do espaço sideral;
Protejam-se na aurora boreal
fujam do bipolar e grave atrito.

✑ Beijo Abiótico

escultura de homem e mulher se olhando sob uma sombrinha
No beijo abiótico d’alma morta
lúgubres sentimentos tomam forma;
e contrariando a retrátil norma
cerram o peito e abrem uma porta.

✑ Órbitas Possessivas

almas flutuando sob a cidade de cabça para baixo
Órbitas morais em fatais caveiras,
errantes e lastimáveis viventes,
caricatas figuras vis, doentes
cruzando a morte e a vida nas fronteiras.

✑ Lágrimas Mortas

arte 3d de mulher com lagrimas coloridas
O parco brilho d’alma enrubescida
acende o bravo e belo coração;
obriga o Ser a ser um ser senão
a existência será despercebida.

✑ Vida que Agoniza

mulher arregalando olhos vermelhos
A alva vida lentamente evapora
sucumbe matando o principal sonho;
Flutua no céu amargo e risonho
avermelhado, cru e turvo na aurora.

✑ Anjos Suicidas

homem na ponte se preparando para saltar
O voo belo sofre queda retumbante
à luz fúnebre, sob a lua inesperada;
pétalas que despedaçam à alma brilhante
na música silente, silente pancada.

✑ Calor Intenso

crematorio antigo
O calor infernal que almas derrete
queima a pele, os olhos, a breve vida;
Mata os humanos sem que nada o afete
acinzenta a natura colorida.

✑ Flor da Morte

arte distorcida de homem e macaco
Cavalgo a morte no horizonte belo
e amargo a vida em rasos pesadelos;
Carrego o eu em ossos e cabelos
em busca do irrecuperável elo.

✑ Fuga da Caverna

caverna
Estava acorrentado na caverna
vendo meu conhecimento em solombras
que recobriam meu chão como alfombras
forçando-me a usar uma lanterna.

✑ Persistência Douda

taças e faca sujas de sangue
Ainda insistes em dar murros
em pontas de facas?
Achas que um dia a dor
vai simplesmente sumir?
Achas que as feridas sararão
se continuares tentando?

✑ Geração Psicopata

jovem segurando uma faca no meio da floresta
Lendo sobre psicopatas
acabo percebendo que muitos traços
não apenas me definem como um,
mas também me alivia.

✑ Sou

homem fumando sob a chuva
Sou o solitário farol
que ilumina as noites secas sem luar...
Sou a coragem que se foi
e tem medo de voltar.

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *