Pular para o conteúdo principal

A Vida Faz Sentido

Era segunda-feira, 16 de outubro de 2017 quando tudo começou.

Ela me ligou à madrugada, disse que estava atordoada, não conseguia dormir.
As mensagens de texto dela chegavam sem parar, nesse dia eu realmente entendi o motivo de chamarem as mensagens de texto (SMS) de torpedo.

Não dava pra trocar tanta informação em tão pouco tempo via torpedo, resolvi ligar para que ela pudesse contar-me o que, de fato, estava se passando...

Ela não atendeu, apenas enviou-me um torpedo afirmando que o "meu amigo" estava lá, sinalizando como perigo e portanto ela não poderia de maneira nenhuma atender o celular...

Notei que ela estava em risco, algo muito grave estava acontecendo para que "meu amigo" estivesse em plena madrugada batendo em sua porta; recebi um torpedo dela pedindo que eu me apressasse pois "meu amigo" estava armado e bravo, e que ela não sabia por quanto tempo a porta iria mantê-lo "do lado de fora".

Levantei-me rapidamente, naquela hora, seria muito difícil encontrar qualquer veículo de transporte público; eu não perderia tempo esperando um veículo particular pois cada segundo poderia custar caro e resolvi seguir andando pela avenida madrugada à fora, ela não morava muito longe e eu sabia que durante o percurso encontraria algum táxi disponível e tudo seria mais fácil.

No entanto estou aqui, deitado nesse chão frio sentindo-me preso e inútil, não consigo sentir parte do meu corpo e meu pescoço parece não estar mais sob meu controle...
Fui jogado para o outro lado da rua com uma força tão violenta que minha visão está turva, minha boca está seca e meu peito pulsa forte e rápido como uma metralhadora...

Estou sentindo que nada poderei fazer enquanto as vozes humanas que escuto sussurrando ao meu redor estão ficando cada vez mais longe, juntamente com a esperança de rever minha terna namorada... As vozes estão ficando escassas iguais as chances do meu amor estar bem...

Sinto um peso em mim; alguém movimentou o meu corpo, eu sei disso, mesmo sendo incapaz de sentir... As lembranças da minha donzela em perigo não saem da minha mente e não consigo sequer movimentar a boca para pedir que alguém a ajude...

Estou com frio...
Sinto as lágrimas da mulher da minha vida escorrendo pelos meus olhos enquanto enxergo um céu turvo, opaco e estrelado, como se o mundo fosse apenas uma imensidão escura e infinita, sem que minha existência pudesse fazer alguma diferença...



Maceió, 17 de Outubro de 2018
Gustavo V.S Ferreira




Comentários

Mais lidas da semana

Sem Futuro

Não há passado nem mesmo futuro
não há palavras certas pro presente;
O tempo rói o espaço divergente
e transpassa-lhe ao meio, meio-escuro.

O tempo-espaço passa e perituro
arregaça-se ao meio qual pingente
que preso no pescoço do indigente
paga o preço da luz fria de Arcturo!

E a dor reminiscente flui qual rio
mais parco indo ao futuro tão sombrio
de cortes e de côrtes: cores vis...

Redesenhando o espaço em tempo cru
na quarta dimensão do fogo azul
onde o tempo faz círculos sutis!

Gustavo VS Ferreira
10/06/2019

O Lobo, a Coruja e a Lua

Uma águia na noute, assusta a coruja,
e um uivo sombrio logo é ouvido
num som de asas no escuro interrompido,
um medo que mata e a morte é lambuja...

Uma lua disforme e garatuja
presa num céu obscuro e introvertido
a perder tempo e a perder o sentido
e perdendo tanto, a lua maruja...

E da ave noturna, ouve-se o gemido
e num eco retumbante e oprimido
foge na escuridão, a dita cuja...

O lobo desiste; está convencido
que outra vez ouvirá aquele gemido
num luar e numa janta rabuja.

Gustavo V.S Ferreira
22/05/2018

Mais Uma Dor

Mais uma dor que chega, chega e fica
trepidando no peito amargurado
despedaçando o amor desperdiçado
dentro do coração que petrifica.

É um raio que nada significa
nesse círculo atroz agalopado;
é viagem pelo tempo tresloucado
que nos mata, nos sangra e estratifica!

E essa dor que chegou amordaçando
o breve sonhador que soluçando
acorda em choro e pranto alucinado

Vai no seu peito preto congelando
as sensações que outrora memorando
o tornara capaz de ser alado!

Gustavo VS Ferreira
08/06/2019

A Donzela de Orleans (Para Joana D’Arc)

O meu nascimento é desconhecido
a minha doce infância é um segredo
o meu nome causou alegria e medo
e esperança ante o ódio definido!

Jovem guerreiro sem medo medido
a cavalgar um mundo insano e azedo
vencendo o grave mal como um torpedo
causando grande pânico e alarido!

Sou moça masculina desde cedo
atendendo o chamado proferido
da consagrada voz que emana albedo!

Serei assassinada por ter sido
mais que uma líder: fui o líder ledo
que não nascera um homem destemido.

Gustavo V.S Ferreira
04/04/2019


Dedicado a Joana D'Arc, uma jovem de 19 anos que se vestia como um homem guerreiro e liderou um pequeno exército, durante a Guerra dos Cem Anos (França, 1337 - 1443), vencendo vários conflitos e sendo motivo de inspiração para o exército francês vencer várias empreitadas contra os ingleses. Joana D'Arc foi queimada como bruxa numa fogueira, durante um ato de fé em 1431 pelos Borguinhões. Posteriormente foi canonizada pelo papa Bento XV.

Entrevistei o poeta paraibano Danilo Soares - autor do livro "Versos Substanciais", pela Editora Hope

Olá caros leitores deste site, é com imensa satisfação que publico esta entrevista concedida pelo caro poeta Danilo Soares. Para quem não conhece, Danilo Soares, além de meu amigo, é o poeta paraibano que recentemente lançou o livro "Versos Substanciais" pela editora Hope. Ele até me contou um segredo e deixou-nos uma recomendação!

Antes da entrevista, segue uma pequena bio do poeta que pode ser encontrada no site da Editora Hope.

Danilo Soares nasceu em primeiro de fevereiro de 2001, na cidade de Rio Tinto - PB, onde reside atualmente. Estudante, Poeta e leitor voraz de Augusto dos Anjos e Carlos Dias Fernandes. É criador do site literário Paixão Melancólica que mostra poemas, matérias/artigos relacionados à literatura nacional. Também é autor de Versos Substanciais, obra de poemas publicados pela Editora Hope.

O Danilo fora das páginas é um adolescente ganancioso de 17 anos de idade que rir com coisas simples e chora sem se preocupar se vão ligar

Segue a entrevista:


Olá Da…