Gustavo Valério

O Poeta Soturno

✑ Emprestada

Tomastes minha pobre alma emprestada
e assim fugistes co' ela pelo mundo
vagastes por ai como um vagabundo
e esquecestes da promessa acordada.

Fiquei co' a vida desequilibrada
submersa no meu pior, no submundo
que é mui frio, vazio e nauseabundo;
sinto-me sem forças e violentada.

Tomastes a minh'alma num segundo
e deixastes-me só e abandonada
sem fôlego, sem vida mas prostrada...

Agora em tristes lágrimas afundo
sozinha ao aceitar ser humilhada;
fiquei sem honra, sem vida, sem nada.

Gustavo V.S Ferreira
01/08/2018

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *