Gustavo Valério

O Poeta Soturno

✑ O Grito

Dorme tarde e mui cedo se levanta,
vive somente para trabalhar;
...Ainda sabe o que é transpirar
pois no olhar triste a lamentar, decanta.

E seu lamento aos poucos se agiganta
a sua vida quase a suplantar;
recolhe-se ao léu, sem céu p'ra voar,
choca-se no ar, na terra se aquebranta...

Em pedaços no chão a se espalhar
numa velocidade que abrilhanta
queima-se na luz, véu subliminar...

De tanto tentar, a morte suplanta
a vida fraca ainda a respirar
no último grito preso na garganta.

Gustavo V.S Ferreira
09/07/2018

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *