Gustavo Valério

O Poeta Soturno

✑ Inflamado

Enganado, o meu peito inflama e clama
tremendo em intensa e amarga dor
perante o escárnio avassalador
que o teu egoísmo cruel derrama...

E repulsando e ardendo em chama e drama
afunda intrépido no desamor
que enche o peito de amargo sabor
amplificando assim, o denso trama.

E ressurreto em dor, torpor e amor
orgulha-se do ódio, de rama a rama
e desabrocha, na vingança, em flor.

E meu peito vivo, difama e aclama
pelo credor do amor estivador,
pulsando em lusco-fusco, o mal proclama.

Gustavo V.S Ferreira
04/07/2018

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *