Gustavo Valério

O Poeta Soturno

✑ Violino Novo

Ganho vida ao tocar meu violino
e d'um sonho transcendental acordo
viajando em suas notas, transbordo
num mar calmo, pacífico e divino.

Um beija-flor me beija matutino
e eu, bem delicadamente, o abordo;
prendo-me em suas asas; vou à bordo
do acaso certo como peregrino.

Este céu azul me atrai e eu concordo
decolo sem medo num desatino
pois sou do céu! Sou livre como um tordo!

E voando em busca do meu destino
do meu novo violino, recordo
então volto ao meu mundo clandestino.

Gustavo V.S Ferreira
11/06/2018

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *