Gustavo Valério

O Poeta Soturno

✑ Punhal

A voz dela amor exala;
seu perfume é um segredo
da bondade é arremedo
é sofrer em grande escala.

Ela, brandamente fala
e seu linguajar é ledo
que me condena ao degredo
e põe-me numa senzala.

Por seu caro amor, excedo
a razão como uma bala
inda me perco, de medo...

E como haverei de amá-la
se eu aprendi desde cedo
não amar quem me apunhala?

Gustavo V.S Ferreira
29/06/2018

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *