Gustavo Valério

O Poeta Soturno

✑ Vento Frio

O vento está soprando sua ventania
forte e sem alegria, acalentando o frio;
corroendo-se em mágoas e com covardia
traz esta rebeldia como poderio.

E tem a destruição na sua assessoria
tal qual alegoria do fétido rio.
E o vento vem e vai trazendo uma agonia
que sem sabedoria sequestra tal brio

que eu inda mantinha antes de me escurecer
no resvalar do ódio advindo em seu poder
de matar qualquer coisa que possa viver.

E o vento continua a soprar os seus medos
arrebentando sonhos e talvez segredos
e a criar cruéis, e novos e mortais enredos.

Gustavo V.S Ferreira
12/05/2018

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *