Gustavo Valério

O Poeta Soturno

✑ Hipersonia

Como compreender este raro poder
a nos surpreender tocando noss’alma?
E que nos desalma ao anoitecer,
fazendo-nos morrer em tão pura calma?

Será algum trauma persuadindo-me
e iludindo-me a desaparecer?
É correto saber se afligindo-me
estou partindo-me, sem sequer perceber?

Um amargo não-ser, de mim, esvaindo-se
vai comprimindo-se, dominando tudo...
Sono de veludo: os céus abrindo-se
e abduzindo-me num sonho felpudo.

Gustavo V.S Ferreira
23/04/2018

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *