Gustavo Valério

O Poeta Soturno

✑ A Última Carta do Poeta

Você encontrou a pessoa ideal
e deverá focar nisto.
Agora a felicidade pode ser real
sem dores e riscos.

Eu sou apenas poeira na estrada,
um pouco de mentira e ilusão.
Sou um pouco de luz na madrugada
e feridas pro teu coração.

Vi uma luz, de longe, brilhando,
em tuas mãos.
É a pessoa que estás ficando
te iluminando feito clarão.

É raro encontrar alguém assim,
então, por favor, aproveite.
Não permita que isso tenha um fim,
ou simplesmente perca o enfeite.

Você já sofreu demais,
agora, é a hora de ser feliz.
Não desperdice aquilo que é mais
do que o que você sempre quis.

Eu não sou o teu bem
mas posso muito bem ser teu mal.
Pensando nisto, fique com alguém
que não seja tão anormal.

Talvez eu te ame de verdade,
mas isso não é suficiente.
O amor sozinho não traz felicidade
se outros fatores estiverem ausentes.

Ele parece uma pessoa honesta,
simples, talvez até fiel.
Uma sorte como esta
só vinda diretamente do céu.

Você deve calcular
o preço da decisão,
pois se o acaso te devorar,
a culpa não é dele não.

Calcule que ele
faz tudo por você,
faz qualquer coisa
que te traga prazer,
e ao contrário de mim,
ele tem medo de te perder.

Pessoas como ele,
merece alguém igual a você.
É como um troféu
dado somente a quem merecer.

Não se preocupe comigo,
conforto-me em perder,
se acaso eu perceba
que não fiz por merecer.

E vamos ser sinceros:
Eu não tenho sido bonzinho ultimamente.
Não mereço o que quero
nem momentaneamente.

Talvez eu te ame até demais
logo, não quero teu mal.
Sou sincero e talvez capaz
de reconhecer algo fatal.

Permita-me que eu te apresente
o meu possível amor verdadeiro.
Que além de paciente,
é calmo e cavalheiro.

Mas nunca, este meu possível amor
será ganancioso.
Não a ponto de querer tudo,
sem sequer ser vitorioso.

A vida não passa de um grande jogo,
só perde quem não quer jogar.
Perdoe-me por não ter jogado
nesses duelos de amar.

Não se preocupe, amor,
jamais vou te culpar,
eu não sinto dor
logo, nada me faltará.

Reconheço a tua inocência,
deste fato, sou a testemunha.
Jamais houve uma experiência
sem que houvesse alcunha.

Como acusarei a vida de assassina
se também sou criminoso?
Vou, apenas, aceitar tal sina
como se fosse um amistoso.

E uma oportunidade
de fazer-te feliz,
mesmo não sendo eu
o causador da tua felicidade.

Não se preocupe, amorzinho...
Eu saberei um jeito de sorrir
se em teus olhos, ver,
um sonho em realidade.

Gustavo V.S Ferreira
27/12/2018

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *